O Céu de Suely

 

Herminia volta à sua terra com um filho no colo esperando um "alo"do pai que conheceu em S. Paulo. Mas o "alo" é só dela, nos orelhões disponiveis. O amante se esconde. E Herminia só tem a avó para custear as suas despesas e a do rebento. Ela não procura emprego- talvez porque ache inútil. E acaba rifando o corpo. O ganhador passará "uma note no paraiso". Ela seria a Eva. Mas em uma pequena comunidade do Ceará a medida é demasiadmante drástica. Herminia, que na rifa se chama Suely, chega a apanhar de um agente rodoviário. A única pessoa que lhe dá atenção, e mesmo assim porque encontra sexo, é João, um motoqueiro feito taxista. No fim da história ela compra uma passagem para o sul. O menino fica com a avó. Suely/Herminia é mais uma seduzida e abandonada, sem um bolero na sua vida,sem deixar uma lágrima dentro do cinema. Isto porque o filme de Karim Ainouz é seco,é um docudrama que repousa no talento da atriz também chamada Herminia(Guedes) e numa linguagem de valorização dos detalhes, coisa que a platéia dos melodramas não descobre.