Arquivos
 31/10/2010 a 06/11/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 03/01/2010 a 09/01/2010
 29/11/2009 a 05/12/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006

Categorias
Todas as mensagens
 Filmes
 Crônicas
 CineNoticias

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog do Veriano
 


4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias

 

 

            Faz-se cinema de calhamaços literários como também relatórios de fatos. Simples fatos.  “4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias” é um fato. Uma jovem grávida quer abortar. Não interessa quem a emprenhou o que diabos pense de ter um filho. Sem parentes para cuidar disso, apelas para uma amiga. É esta amiga é quem vai providenciar tudo: do “fazedor de anjos” ao quarto de hotel que servirá de enfermaria. Claro que a trabalheira corre em um lugar onde aborto dá em cana. A história se passa na Romênia de Nicolau Ceausesu, ditador romeno da linha vermelha. Lá, na época dele (anos 80), interromper gestação era como tirar de cena um “camarada” a prosseguir com o regime. Nem precisava consultar a igreja.

            O “aborteiro”, que nada tem de médico, é um sujeito extremamente grosso. Sabe o perigo que corre na “profissão” e só trabalha com dinheiro em caixa. No caso da personagem do filme, ele acha uma tarefa por demais perigosa (e é), e pede além da conta. Afinal, um feto de quase 5 meses é uma criança com sistema nervoso esboçado, valendo a sua morte como um assassinato.

            Todo o filme é o caso em si. A amiga passa para o papel principal até quando leva o feto para jogar no lixo mais distante. Fosse um filme de Hollywood e as suas impressões digitais no lençol que envolve a criança (e é criança) seria apurada e os “medical detectives” a perseguiriam e ganhariam a parada. Mas não interessa ao diretor Christopher Mungui o crime e o castigo. Basta o crime. A sua detalhada exposição já implica num castigo. Quando eu saí do cinema eu disse que aquilo era um “anticoncepcional”: quem vê não vai querer engravidar e se o fizer não vai interromper o ciclo.

            Frio ao extremo, com a câmera ora fixa (na maioria dos planos)  ora movendo-se na mão (por corredores), quase sem closes e sem musica, é um cinema que se mostra longe do espectador embora essa posição física implique numa participação afetiva pela própria ausência de emoção.

            Ganhou a Palma de Ouro em Cannes. Sabe lá como atuou em corações e mentes do júri. Um exemplo de cinema raro, do país produtor à linguagem e abordagem. (Pedro Veriano)



Escrito por Pedro Veriano às 16h29
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]