Arquivos
 31/10/2010 a 06/11/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 03/01/2010 a 09/01/2010
 29/11/2009 a 05/12/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006

Categorias
Todas as mensagens
 Filmes
 Crônicas
 CineNoticias

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog do Veriano
 


L[agrimas Caninas

 

 

 

 

            Anos de cinemania não tinham me ofertado a decepção e ir a um cinema e não entrar por causa da lotação esgotada. Aconteceu quando eu fui ver, despreocupadamente (pois não esperava bulhufas do filme), "Marley e Eu"(Marley & Me). Como sou teimoso, repeti a dose. Saí de casa pouco depois do meio-dia de uma simples 3ª.feira e consegui ingresso (folgado) para a sessão de 12,50.

            Entrei na sala de projeção indagando a mim mesmo o que é que esses novos filmes têm para dar tanto público. Claro que na qualidade de fã desta artindustria gosto de ver casa cheia. Nessas horas a gente tem um pouco de Hemmingway: aceita que os sinos possam a dobrar em nosso favor.

            À saída compreendi o motivo do fascínio que mais um filme cachorro está fazendo desde o seu porto de origem. Falta violência. E a ausência de violência também faz a fatura de "Madagascar 2" e, de certa forma, de "Crepúsculo", onde o violento está a serviço da fantasia ou do que antes metia medo(hoje vampiro é namorado feloz).

            Owen Wilson, um dos "penetras bom de bico", ou seja, um cara enjoado que me pareceu gêmeo de Jason Biggs e Adam Sandler, faz um jornalista que ao se casar adota, junto com a mulher (Jennifer Aniston), um cachorro. Seria o "trailler" para quando chegassem a ser papai e mamãe. Mas logo percebem que o bicho requer cuidados de super-herói, especialmente se for de uma raça como a labrador (chega a 50 kg de peso).Desarrumando a casa e metendo medo quando chega o primeiro bebê, Marley acaba conquistando os donos. O filme trata do casal, da prole, do au au, da profissão do patriarca e também da matriarca, e ainda de uma ligeira rixa entre marido e mulher na fase de DPP (Depressão Pós Parto). Nada de aterrorizante, nem mesmo o fato de haver assaltos a mão armada nas casas vizinhas (tão nosso isso aí !...). Narrando como bom contador de história, David Frankel ("O Diabo Veste Prada") vai até à morte do animal. Aí o filme, com base num "best-seller" de amplitude internacional, Explicita um quadro melodramático para derreter corações moles. Há quem saia do cinema lagrimando. OK, Wilson é canastrão que passa anos de vida de seu personagem com a mesma cara, o enfoque é demasiadamente domestico para muitos paladares, mas o cachorro está longe de ser um "salvador da pátria" como seus ancestrais (Lassie, por exemplo) e não dá um só golpe de herói nas aventuras (?) familiares. Mas por ser um filme sem emoções, sem parentesco com os "thrillers" e sem apavorar quem quer que seja (exceto os que exigem obra-prima à la carte) é um programa divertido. Pelo menos eu não olhei para o relógio.

            O cinema de amenidades está longe de ser desprezível. Quando não é (e isto é importante) chato. E "Marley" é chato. Mesmo para quem não tem cachorro em casa. (Pedro Veriano).

 

           



Escrito por Pedro Veriano às 16h18
[] [envie esta mensagem
]





Malas Festas

 

 

            2009 começou diferente para mim. Entrei o ano às escuras, até gostando do blecaute no Mosqueiro, e em seguida não entrei num cinema porque a sessão estava lotada. Não lembro disso em anos e anos de cinemania. Por outro lado, despedi-me de 2008 com o abacaxi "Glória ao Cineasta"de K. Kitano, e entrei 2009 com "Feliz Natal" de Selton Mello, mais uma estréia de diretor que quer mostrar serviço, ou melhor, demonstrar genialidade.

            A gente aprende estudando linguagem cinematográfica que os planos próximos servem para aproximar o espectador do que está na tela. Obvio. Esse tipo de plano funciona melhor na TV, onde a tela pequena não deixa espaços para a visão. Mas usá-lo em enquadramento anamórfico, ou como se conhece "cinemascope", é um desafio inoportuno. É assim que Darlene Gloria, esforçando-se no papel de uma matrona alcoólica, deixa que se veja só a sua maquilagem, a pintura dos cílios, o suor, as rugas, os olhos azuis. E a fotografia escura, desprezando os spots propositadamente a porfia por um realismo, encobre muito da zanga de familiares que recebem Leonardo Lacerda, um filho nada pródigo que resolve regressar ao lar durante as festas de fim de ano.

            A pesada introdução de imagens feias, a postura de tipos destroçados, o mau humor quase geral, é coroada com o suicídio de uma criança. Fecha-se uma cortina para que se elogie o trabalho do diretor-roteirista,. Permita-me divergir. Achei o filme um saco. E o tema um replay do mau humor que cerca grande parte da produção brasileira em cinema atual.

            Pode-se dissertar sobre família pouco família com ironia do tipo que Mario Monicelli colocou em "Parente, Serpente". Castiga-se mais. No "Feliz Natal" de Mello resta o desencanto e a vontade de deixar a sala de projeção antes do fim.



Escrito por Pedro Veriano às 16h40
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]