Arquivos
 31/10/2010 a 06/11/2010
 03/10/2010 a 09/10/2010
 26/09/2010 a 02/10/2010
 15/08/2010 a 21/08/2010
 27/06/2010 a 03/07/2010
 06/06/2010 a 12/06/2010
 09/05/2010 a 15/05/2010
 18/04/2010 a 24/04/2010
 21/03/2010 a 27/03/2010
 07/03/2010 a 13/03/2010
 07/02/2010 a 13/02/2010
 03/01/2010 a 09/01/2010
 29/11/2009 a 05/12/2009
 15/11/2009 a 21/11/2009
 08/11/2009 a 14/11/2009
 18/10/2009 a 24/10/2009
 20/09/2009 a 26/09/2009
 13/09/2009 a 19/09/2009
 16/08/2009 a 22/08/2009
 02/08/2009 a 08/08/2009
 26/07/2009 a 01/08/2009
 19/07/2009 a 25/07/2009
 12/07/2009 a 18/07/2009
 05/07/2009 a 11/07/2009
 28/06/2009 a 04/07/2009
 21/06/2009 a 27/06/2009
 07/06/2009 a 13/06/2009
 24/05/2009 a 30/05/2009
 10/05/2009 a 16/05/2009
 26/04/2009 a 02/05/2009
 29/03/2009 a 04/04/2009
 08/03/2009 a 14/03/2009
 22/02/2009 a 28/02/2009
 01/02/2009 a 07/02/2009
 25/01/2009 a 31/01/2009
 04/01/2009 a 10/01/2009
 21/12/2008 a 27/12/2008
 23/11/2008 a 29/11/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 02/11/2008 a 08/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 05/10/2008 a 11/10/2008
 21/09/2008 a 27/09/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 10/08/2008 a 16/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 13/07/2008 a 19/07/2008
 06/07/2008 a 12/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 25/05/2008 a 31/05/2008
 18/05/2008 a 24/05/2008
 04/05/2008 a 10/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 16/03/2008 a 22/03/2008
 02/03/2008 a 08/03/2008
 24/02/2008 a 01/03/2008
 03/02/2008 a 09/02/2008
 06/01/2008 a 12/01/2008
 23/12/2007 a 29/12/2007
 09/12/2007 a 15/12/2007
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 09/09/2007 a 15/09/2007
 05/08/2007 a 11/08/2007
 29/07/2007 a 04/08/2007
 08/07/2007 a 14/07/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 22/04/2007 a 28/04/2007
 01/04/2007 a 07/04/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 11/03/2007 a 17/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 25/02/2007 a 03/03/2007
 11/02/2007 a 17/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 21/01/2007 a 27/01/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 31/12/2006 a 06/01/2007
 17/12/2006 a 23/12/2006
 10/12/2006 a 16/12/2006
 03/12/2006 a 09/12/2006
 26/11/2006 a 02/12/2006
 19/11/2006 a 25/11/2006
 12/11/2006 a 18/11/2006
 05/11/2006 a 11/11/2006
 29/10/2006 a 04/11/2006
 22/10/2006 a 28/10/2006
 15/10/2006 a 21/10/2006

Categorias
Todas as mensagens
 Filmes
 Crônicas
 CineNoticias

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog do Veriano
 


INICIO DE ANO

O meu melhor filme de 2009 foi "Gran Torino" de Clint Estwood. Logo atrás dele a animação "Up". Este ano que se inicia, vejo "Lula, O Filho do Brasil", um "reader's digest" do livro de Denise Paraná. Na cabeça está o melhor do apagar das luzes do ano passado: "Avatar". O bastante para James Cameron, o diretor, tornar gritar do tombadilho da glória que é "o rei do mundo". Neste janeiro contabiliza mais de US$1 bilhão. Nenhuma sena dá tanto.

Sobre o filme de Fabio Barreto eu escrevi e transcrevo para este blog primeiro e mais intimo:

 

 

BIOGRAFIA READER’S DIGEST

 

 

            “Lula, O Filho do Brasil” (Brasil,2009) baseia-se no livro de Denise Paraná, um best-seller que fez muita gente derramar lágrimas. O roteiro de Fernando Bonassi (que fez o de “Cazuza” e “Carandiru”) ganhou um tratamento de superprodução nos moldes nacionais, com uma direção de atores a cargo de Cibele Santa Cruz, uma direção de segunda unidade(Claudia Castro) e uma senhora equipe de tecnica. Quer dizer, Bruno Barreto,o diretor, tratou de ministrar as seqüências para que a edição, chefiada por Alexandre Palo, trabalhasse. Mesmo assim, mesmo com todo esse cuidado, o filme não emociona nem esgota o assunto.

            A história do atual presidente é potencialmente emocionante. Menino pobre do agreste, viaja 15 dias de “pau de arara” para Santos seguindo uma carta forjada do irmão em nome do pai, e na terra da garoa passa sérias necessidades, valendo-se da coragem e persistência da mãe, dona Lindu (Gloria Pires), que chega a desprezar o convite de uma professora em ficar com o garoto por adoção e persistir, por sua conta,na tarefa de instruí-lo, levando-o ao SENAI onde ele cursa a formação de torneiro mecânico.

            O roteiro escorrega no mesmo chão liso que fez escorregar tantas cinebiografias.Tudo é estereotipado, com personagens bons e maus sem hiatos de duvidas ou transgressões. E o tempo cronológico é acelerado com vistas ao lado sentimental da trama, pouco dizendo de como o jovem Luís consegue ser um orador fluente, um político “nato”. Essa faculdade de se expandir em discursos populares é jogada sem qualquer análise. É como se o ato de reclamar desmandos de seu sindicato fizesse de Lula um reivindicador capaz de comunicar as suas idéias com multidões em falas que emocionam mesmo que não sejam embasadas em termos técnicos (como econômicos). Um prodígio de intuição que não se mostra na gênese.

            A lição do roteiro é de que a vida forja o herói. Mas como forja? Imagens do jovem operário que se casa e perde a mulher durante o parto de seu primeiro filho, depois o conhecimento, namoro e casamento com outra mulher, são detalhadas enquanto não se toca como o sindicato dos metalúrgicos no tempo de ditadura militar começou a ser oprimido, como os operários foram chamados de comunistas numa generalização que levava muita gente aos porões do DOPS e suas torturas, enfim como as reivindicações salariais começaram a ser tratadas seriamente, ensejando a histórica greve do ABC paulista, fato que estremeceu o governo Figueiredo. Resumindo, como foi a história do Brasil nos anos 70/80.

            Tudo no filme é simplificado ao extremo. Não fosse a concorrência de atores competentes como Rui Ricardo Dias, que faz o Lula, a coisa se encaminharia para um melodrama em que a política seria um elemento de construção e não um episódio histórico.

            Mas apesar desses pesares, “Lula, o Filho do Brasil” é o melhor que fez o diretor Fabio Barreto. A mim pareceu melhor do que o seu “Quatrilho”, candidato a Oscar. O que machuca é que o assunto renderia muito mais. E sem pressa. Por que fazer o filme agora? Não seria melhor esperar mais um pouco e tratar de Lula depois de deixar o Palácio do Planalto? Assim não seria preciso o prólogo em que se jura não ter sido empregada nenhuma verba de entidades oficiais na produção.

 



Escrito por Pedro Veriano às 11h49
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]